EDIFÍCIO SIGNORE DEL BOSCO

MORRO DA VIÚVA

O Morro da Viúva só passou a ser assim denominado em 1753, depois que se tornou propriedade de Joaquina Figueiredo Pereira de Barros ao enviuvar de Joaquim José Gomes de Barros.  O local antes, pertencera à Marquesa de Paraná (mulher de Honório Hermeto Carneiro Leão, que foi Ministro da Justiça aos 31 anos de idade). O primeiro nome do local foi "Mont Henry", dado pelos franceses de Villegaignon, e registrado nos mapas da Guanabara do frade André Thevet (1516 – November 23, 1590), que fazia parte da expedição. Em 1555, os franceses chefiados por Villegaignon invadiram o Rio de Janeiro, criando a França Antártica. Eles nomearam o Morro da Viúva como Mont Henry, em homenagem ao rei da França, Henrique II, e relatos históricos descrevem que o morro também foi conhecido por "Morro do Léry" ou "Morro do Leryfe" por causa de Jean de Léry (pastor, missionário e escritor) que viveu alguns meses na Casa de Pedra que, acreditava-se ficar nas imediações do Morro da Viúva.

press to zoom
Mont Henry
Mont Henry

A primeira casa da futura cidade, foi erguida próxima ao morro da Viúva, à época, sem denominação, nela residiu, de 1555 a 1557, o líder Calvinista Jean de Lery. Até o ano de 1753 o local não teve denominação especial e foi chamado de Mont Lery ou Mont Leripe por ter residido na chamada casa de pedra, durante quatro meses, o célebre protestante João de Lery, que para fugir às perseguições de Villegagnon veio residir no continente.

press to zoom

Antigamente, quem quisesse ir da Praia de Botafogo à do Flamengo não podia dar a volta ao Morro da Viúva, como agora se faz pela Avenida Rui Barbosa, de 1.100 metros de extensão, antes chamada “do Contorno”. Deve-se ao Prefeito Carlos César de Oliveira Sampaio a abertura desse importante logradouro, em 1921.

press to zoom

Avenida Beira-Mar, Botafogo, ao fundo o Morro da Viúva. Biblioteca Nacional - Ribeiro, A.

press to zoom

Em 1863, com a ocorrência da Questão Christie foi construída no morro da viúva uma bateria objetivando defender a enseada de Botafogo, Flamengo até o Passeio Público. Na foto a entrada do Forte do Morro da Viúva. Coleção 007 - Gilberto Ferrez. Índice 007A5P4F01-01 (P.01).

press to zoom

A bateria de artilharia construída para defender a entrada da baía de Guanabara, por conta da Questão Christie, foi construída, por ordem do Imperador, e desta construção restaram apenas as escadas que terminam no meio do Morro, porque o restante foi arrancado pela empresa do comendador Antonio Januzzi para comercializar pedras de granito na construção de diversos monumentos e logradouros na cidade do Rio de Janeiro até meados de 1920.

press to zoom

Há, também, no topo desse morro, um reservatório, Em 1870 a cidade carecia de um abastecimento de água mais moderno e constante, o reservatório foi terminado no ano de 1878 e manteve a sua função até depois da inauguração do sistema do Guandu. Só a partir dos anos 70, deste século, com melhorias na estação de tratamento e a construção novas adutoras para a Zona Sul, que o velho reservatório foi desativado. (por Andre Decourt)

press to zoom

O reservatório de água foi feito em 1880, com capacidade de armazenamento de cerca de seis milhões de litros d’água, provenientes das sobras da Represa dos Macacos, no Jardim Botânico, e das águas canalizadas do Rio Tinguá.

press to zoom
press to zoom

Obra de urbanização da Avenida Rui Barbosa, na década de 20. O morro pertenceu, durante muitos anos, ao Comendador e construtor Antonio Jannuzzi, que dele extraiu pedras para suas obras em toda a cidade, até 1920. Em 1922 foi circundado pela Avenida Rui Barbosa e, então, loteado.

press to zoom

MORRO DA VIÚVA Coleção Klerman Wanderley Lopes Foto tirada na primeira metade do século XX, com o recém-criado bairro da Urca ao fundo.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Foto: Rafael Andrade - O Globo

press to zoom

Morro da viúva - fotógrafo Eduardo Sengés

press to zoom

Site sem interesse comercial e propõe-se a divulgar imagens e um pouco da história do local. Caso haja algum item em desacordo com os direitos de propriedade intelectual, envie-nos um e-mail e retiraremos a respectiva parte ou indicaremos o crédito.